Sem categoria

Retração gengival pode ter como causa o fio dental usado incorretamente.

Retração gengival, quais as causas para este problema?

A retração gengival é um dos principais motivos para consultas ao dentista. Além dos danos estéticos ao sorriso característicos da exposição da raízes dentárias, este problema traz riscos elevados para perdas dentárias quando não identificadas suas causas e tratado corretamente.

São várias as causas para o aparecimento de gengivas retraídas. Na maioria dos casos, elas são uma sequela da periodontite, uma doença infecciosa associada à remoção inadequada da placa bacteriana, ou da higienização oral traumática por escova dental e fio dental. Conheça os principais fatores que atuam para dar início ou facilitar a progressão da retração gengival:

✓ periodontite;

✓ uso inadequado do fio e escova dental;

✓ tratamento ortodôntico;

✓ colapso periodontal por anatomia óssea desfavorável;

✓ alergias inflamatórias;

✓ fungos e vírus.

O fio dental como causa para a retração gengival.

A retração gengival que tem como causa o uso inadequado do fio dental é desconhecida da maioria dos pacientes. Mais difícil de ser diagnosticada do que a recessão gengival causada pelo uso incorreto da escova dental, ela é o resultado dos minúsculos cortes diários (traumas mecânicos) que acometem um mesmo local do tecido gengival, aparecendo, nos estágios iniciais, sob a forma de fissuras teciduais.

Ainda não se sabe quanto tempo a retração gengival associada ao fio dental leva para aparecer. Em alguns casos, ela só pode ser encontrada em gengivas que já apresentam algum grau de recessão; em outros, dá-se sobre dentes sem nenhum sinal de exposição da raiz dentária. Até agora, entretanto, sabe-se que a extensão dessas fissuras dependem da força aplicada sobre as gengivas, tipo e espessura do fio dental e exageros no número de vezes em que este aparato para remoção de placa bacteriana e restos alimentares é utilizado.

A fissura gengival por uso inadequado do fio dental traz, além da retração gengival, riscos mais elevados para acúmulo de placa bacteriana nestas áreas. Criando reentrâncias e invaginações teciduais, fica difícil ao indivíduo afetado pelo problema higienizar corretamente as áreas afetadas, aumentando, assim, as chances para o aparecimento de gengivite e periodontite.

Diagnóstico difícil: sinais e sintomas são discretos e pouco extensos.

É praticamente impossível ao próprio paciente identificar, sozinho, a retração gengival causada pelo fio dental. Isso porque, na maioria das vezes, ela aparece na forma de fissuras gengivais cujas justaposição das bordas dificulta a sua identificação. Já as alterações como vermelhidão, inchaços (edemas) e sangramento, sinais típicos da gengivite e periodontite, quase nunca são encontrados.

A parte mais afetada pela recessão é o zênite, a região mais elevada (alta) da gengiva. Em quase todos os casos, somente uma única fissura pode ser encontrada devido à repetição do trauma em um mesmo local. Outra característica do problema é que dificilmente ele é encontrado em mais de um dente, sendo os anteriores e os caninos os mais afetados pela condição.

O diagnóstico defintivo da recessão gengival associada ao uso traumático do fio dental pode exigir consulta ao periodontista, o dentista especializado em gengivas. O procedimento, simples, é visual e requer exames radiográficos adicionais para verificar as perdas ósseas associadas à condição recessiva.

Danos às gengivas são menores que os causados pelo uso inadequado da escova dental (trauma de escovação).

O aparecimento de gengivas retraídas pelo uso incorreto do fio dental é um evento relativamente incomum que, quando aparece, traz danos teciduais menores comparados à recessão por escovação traumática. Na maioria das vezes, o problema restringe-se à formação de fissuras profundas que, não tratadas, provocam recessões de poucos milímetros de extensão.

AGENDE UMA CONSULTA COM UM DE NOSSOS ESPECIALISTAS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *